E-Commerce no Brasil – Tendências para 2010

Veja como aproveitar as tendências do e-commerce, que deve se consolidar em ações nas mídias sociais este ano

O ano de 2009 foi marcado pela crise, pelo pessimismo e ainda pela euforia que começou a tomar conta do mercado no final do ano. O varejo on-line foi um dos poucos setores que, no meio desse turbilhão de notícias, foi muito pouco impactado pela crise. O ano fechou com um volume de negócios on-line perto de R$ 10 bilhões, com prognóstico excelente para 2010. A boa notícia é que devemos continuar em um ritmo constante de crescimento nos próximos anos, gerando diversas oportunidades para empreendedores e modelos de negócio inovadores.

Dentro deste cenário, me arrisco a fazer algumas previsões e tendências que devem marcar o próximo ano:

• Consolidação e ampliação do mercado – Com unificação das operações do Pão de Açúcar, Ponto Frio e Casas Bahia, temos a criação de um novo grande player no mercado, com alguns segmentos e ofertas complementares. A B2W, gigante que tem Submarino, Americanas.com e Shoptime em seu portfólio, passa a contar com um concorrente de peso, com poder de barganha com os fornecedores e na compra de mídia on-line. Por outro lado, na última pesquisa Webshoppers da e-Bit, vimos o crescimento do setor das empresas de nicho no bolo, também chamado de cauda-longa. Esses pequenos varejistas, com seus modelos inovadores, alto conhecimento dos clientes e flexibilidade para adaptar suas estratégias, devem continuar crescendo e aumentando a base de e-consumidores.

Crescimento ainda maior de setores pouco explorados – Nos últimos anos percebemos um forte crescimento de setores como têxtil e cosméticos nas vendas on-line. Este ano veremos um amadurecimento do mercado à medida que as lojas entendem cada vez melhor a dinâmica da venda desse tipo de produto on-line. Preocupações como a logística reversa (quando um cliente devolve o produto) já encontram respaldo em vários operadores nacionais, inclusive nos Correios. Além disso, a interface dos sites que trabalham com esses tipos de produtos está cada vez mais envolvente e compreendendo os anseios do internauta.

• Foco na experiência do usuário – Mais do que apenas percorrer um catálogo on-line, a experiência de compra na web deve engajar e ser prazerosa para o usuário. Esta deve ser uma das principais preocupações dos varejistas on-line em 2010. É a única coisa que pode impedir a competição pura e simples por preços. Preocupações como o serviço agregado, funcionalidades de comparação e um pós-venda de primeira linha são apenas alguns exemplos dos elementos que impactam a experiência de compra on-line.

• Redes sociais – As redes sociais não são mais uma opção para os varejistas. Elas influenciam de maneira decisiva a intenção de compra e têm a capacidade de propagar informações a velocidades impressionantes. Em 2009 foi o ano das redes sociais. Muito se falou, muito se escreveu a respeito, mas devemos ver estratégias sólidas serem traçadas pelos varejistas brasileiros em 2010. A onda do E-Commerce Social deve ficar cada vez mais intensa e se tornar parte integrante de qualquer estratégia on-line.

• Especialização de serviços – Com o amadurecimento do mercado, mais fornecedores de serviços para os varejistas on-line devem especializar-se e focar em nichos cada vez mais específicos. Desde fornecedores de meios de pagamento até operadores de logística, veremos mais foco e direcionamento às necessidades específicas dos players de e-commerce.

Independente de previsões, estamos falando de um mercado que ainda está em formação, o que traz inúmeras oportunidades aos que souberem aproveitar o momento e encontrar nichos de atuação. Todos os dias vejo casos de sucesso e empreendedores que souberam inovar e sair na frente, colhendo resultados expressivos no mercado on-line. As oportunidades estão aí, e se transformando em realidade para aqueles que souberem aproveitar.

Pedro Waengertner (Professor da Pós-Graduação ESPM SP - pedrow@espm.br)

http://br.hsmglobal.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário